segunda-feira, 6 de abril de 2015

Direitos, humanos?

Artigos I e VII da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS de 10 de dezembro de 1948.

"...Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição...""...Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação..."

Sim, e daí? Ao longo da história, foram criadas várias emendas para complementar tal documento, que hoje completa 60 anos. São os Estatutos do Idoso, da Criança e do Adolescente, da Igualdade Racial, Lei Maria da Penha e mais uma porção de outras leis, códigos e afins que beneficiam parcelas cada vez mais particulares do tecido social. Será que a Declaração é tão deficitária, ou será que a sociedade, supostamente, evoluiu a ponto de tal documento se tornasse defasado?

Daí a questão: Os direitos, são humanos? Universais ou universalizantes? Como diria o outro, “quem souber, morre!”. Intrigante mesmo é rememorar que três dias após as comemorações do vigésimo aniversário da Declaração, os legisladores instituíram o AI5, fechando o congresso e ameaçando ferir a bala, quem ousar infringir o Ato.

Hoje a eficiência e cumprimento da Declaração é colocada em cheque. É comum se ouvir por aí que "Direitos Humanos 'são só pra bandidos''', e realmente parece que é verdade. Se um militar mata um criminoso durante confronto ele é rechaçado. Quando ocorre o contrário, o PM simplesmente é vítima da violência.

Entre combater os abusos da polícia e pedir o fim dela há uma grande diferença. A desigualdade social sempre foi tachada como principal motivo para violência, agora parece que arrumaram um novo alvo, os policiais. . Não podemos fechar os olhos, há abusos sim. Mas algo isolado, como em qualquer outra profissão. Existem pessoas boas e más em tudo nesta vida, basta ter ser humano no meio.

Engraçado que como no caso da Petrobrás e outros escândalos de desvios de verba pública, pedem para se punir apenas os corruptos e não as empresas envolvidas, mas no caso da PM não pedem para punir os abusos, pedem logo o seu fim.

Em meio tantos questionamentos, deixo mais um: "como transformar esse tipo de sociedade malvada em uma sociedade em que os seres humanos se tratem humanamente?" Se não encontrarmos esse caminho, a violência infelizmente dominará.

QUEM ESCREVE?Eu mesmo, Henrique Oliveira.


quinta-feira, 21 de julho de 2011

Mais afinal, o que é a amizade?

Por vezes nos encontramos carentes, preocupados, ansiosos, rodeado por situações complicadas. Afinal, quem nunca se sentiu perdido? Num verdadeiro mato sem cachorro? Tentar, sozinho, dar um fim no dilema, meio complicado. Mas somente pelo fato de encontrarmos e abraçarmos um amigo, desabafar o que está no íntimo, à angústia se vai, mesmo que o problema permaneça inalterado.

Quantas vezes são os amigos que nos fazem sorrir quando tínhamos vontade de chorar? A simplicidade das brincadeiras, da conversa informal, momentos de descontração que muitas vezes pode ser numa conversa rápida ao telefone, dar aquela atenção especial, rever um filme no cinema só para agradar. Esses são só algumas demonstrações dessa dádiva de Deus: A Amizade.

Mas não se engane. Não existe só alegria, amor, felicidade nesta relação que como em qualquer outro relacionamento passa por crises, por momentos intempestivos. Os abalos acontecem antes mesmo da “crise dos sete anos”, típicas no casamento. Ainda que tenhamos muito carinho pelo amigo, às vezes por insegurança, ciúme ou por estarmos emocionalmente alterados, ou nos sentindo pressionados, acabamos sendo injustos com ele e isso pode ser recíproco.

Diante do amigo somos transparentes, demonstramos nossos pensamentos, nossa visão das coisas, da vida, nos mostramos como verdadeiramente somos. Há amigos que nos ensinam muito, nos fazem enxergar situações que às vezes não queremos perceber. Eles compartilham conosco a sua experiência, nos falam usando da verdade que buscamos encontrar.

Ao longo de nossa vida muitos amigos passam por ela e nos deixam saudade, mas também deixam a recordação de tudo que foi vivido.Amigos são irmãos que a vida nos deu para caminhar conosco ao longo da nossa jornada espiritual, extrapolando os limites do tempo, continuando quando e onde Deus assim o permitir.

domingo, 19 de junho de 2011

Onde dói a traição?

Fruto da nossa rica e fértil imaginação... Não, não mesmo...Esta é mesmo a realidade, nua crua e simplesmente verdadeira... Uma noite fantasmagórica, enigmática e por que não fúnebre?

Sua lua é o ópio. Feita dos vinhedos de um sangue corrupto...
Não, isso não é tão cruel, dizem as línguas infames, fazendo-se tolas e fingindo não notar o fato de que nossos próprios irmãos e amigos serão os nossos inimigos no amanhã.

Ah e o amor, que é mestre em montar grandes armadilhas. Uma prisão de irrefutáveis navalhas. Mas é através desta flagelação que aprendemos a não mais errar, se é que o fizemos. Mal fechamos os olhos e já sintimos alguém pelas costas querendo nos apunhalar.

Este é o pior castigo...
A mais longa punição...
É a lança que atravessa o coração...
Aos pouquinhos esta dor aguda vai nos dilacerando.
É quase impossível de suportar...
O sabor da traição...

Sorrisos maliciosos, risos sarcásticos...
De lá, de cá...nos cantos de uma rua...
No convite para uma festa...
Em um drink amigável... Ah hipócritas!

Em apenas um gole de vinho pode ter veneno...
Que rasga e corrói a garganta de tanta mentira...
E ti embebeda com a hipocrisia deles...

Nossos sonhos caíram na boca da serpente... Enfeitiçou-se lentamente... Com milhares de olhares insinuantes... Em seu labirinto interno... Tuas línguas ferinas e malditas... Roubaram nossa inocência... E nos fez por ti, em ti, creditar imensa e perene confiança. Foi uma lança que atravessou o coração... É quase impossível suportar... O sabor da traição...